quarta-feira, 27 de fevereiro de 2019

PALMARES-PE: PREFEITO É AFASTADO E VEREADORES ABREM COMISSÃO DE IMPEACHMENT.

O prefeito de Palmares-PE, Altair Júnior (MDB) foi afastado do cargo por unanimidade em sessão na noite dessa terça-feira (26/2) na Câmara Municipal. O afastamento tem um prazo de 90 dias. Na sessão também houve a abertura de uma comissão para tratar do processo de impeachmet do gestor municipal. 

O vice-prefeito Agenaldo Lessa (PPS) assumirá interinamente a prefeitura. A cerimônia de posse aconteceu nesta quarta-feira (27/2) na Câmara municipal.

O motivo do pedido de afastamento foi a apresentação do relatório final da CPI dos Consignados pelo relator, o vereador Luciano Júnior. A comissão investigou o não repasse dos empréstimos consignados às instituições financeiras pelo município.

A CPI dos Consignados foi aberta em 18 de outubro de 2018, após aprovação de 10 vereadores, 2/3 da Casa Legislativa. O relatório será entregue ao Ministério Público para que o prefeito seja responsabilizado civil ou criminalmente.

A comissão que tratará do impeachment do prefeito será formada pelos vereadores Antônio Almeida Filho (Presidente); Josias Pereira de Melo (relator); e José Reginaldo (Membro).

CPI DOS ESPORTES
Na sessão dessa terça-feira (26/2), houve ainda a abertura da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Esportes, para investigar possíveis irregularidades na celebração da contratação e pagamentos referentes a convênios de cooperação entre a prefeitura e a Lida Desportiva do município.

O objetivo da comissão é colher informações. De acordo com os vereadores, existem evidências de mau uso do dinheiro público. Quatorze vereadores assinaram a abertura desta CPI.

PREFEITO INVESTIGADO POR IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA.
Em novembro do anos passado, um vereador da cidade denunciou ao Ministério Público que os servidores, aposentados e pensionistas estavam com os salários atrasados desde julho. O MPPE ajuizou uma ação civil pública e chegou a bloquear os bens da prefeitura. O prefeito está sendo investigado por improbidade administrativa. Na ocasião, o promotor de Justiça João Paulo informou que além da responsabilidade, a promotoria objetivava garantir o pagamento da folha de funcionários. 
Fonte: Ne10.