quinta-feira, 25 de março de 2021

3 PESSOAS MORRERAM E OUTRAS VÃO PARA FILA DE TRANSPLANTE, APÓS FAZEREM USO DO KIT COVID.

Medicamentos sem eficácia contra o vírus, como ivermectina e hidroxicloroquina, trazem riscos de efeitos colaterais, vendas dessas drogas subiu até 557%.
O uso do chamado kit covid, que reúne medicamentos sem eficácia contra a doença, mas que continua sendo prescrito por alguns médicos e propagandeado pelo presidente Jair Bolsonaro, levou cinco pacientes à fila do transplante de fígado em São Paulo e está sendo apontado como causa de ao menos três mortes por hepatite causada por remédios, segundo alguns médicos. 

Quatro dos cinco contaminados foram atendidos no Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo (HC-USP), mas dois deles morreram antes da cirurgia. O quinto paciente foi tratado no Hospital das Clínicas da Universidade Estadual de Campinas (HC-Unicamp). As biópsias de fígado das cinco vítimas comprovam que as complicações no órgão foram causadas por medicamentos e não pelo novo coronavírus. 

Luiz Carneiro D’Albuquerque, chefe de transplantes de órgãos abdominais do HC-USP e professor da universidade, diz que os exames no fígado mostram lesões compatíveis com hepatite medicamentosa. “Vemos que esses remédios destruíram os dutos biliares, que é por onde a bile passa para ser eliminada no intestino.” 

De acordo com Carmen Valente Barbas, pneumologista do HC-USP e do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, muitos de seus pacientes atuais afirmam que tomaram medicamentos do kit Covid. A maior ressalva dos médicos quanto a essas drogas são os efeitos colaterais, principalmente entre aqueles que desenvolvem sintomas graves da Covid-19 e já estão com os órgãos comprometidos. 

Além da hepatite medicamentosa, os profissionais de saúde começaram a observar outros danos no organismo de pacientes que usaram o kit Covid, como hemorragias, insuficiência renal e arritmias. “Esses remédios não ajudam, não impedem a intubação e trazem efeitos colaterais, como hepatite, falha renal, infecções bacterianas, diarreia, gastrite… E a interação entre eles pode ser perigosa”, destaca Carmen. 

Ederlon Rezende, coordenador da unidade de tratamento intensivo (UTI) do Hospital do Servidor Público do Estado, em São Paulo, enfrenta dificuldades com pacientes que precisaram ser sedados e acordaram com confusão mental maior que o normal. A condição é acentuada pelo uso excessivo de ivermectina antes da internação. 

Segundo Rezende, ao acordar da intubação, o paciente pode apresentar delírio. Isso é muito frequente em doentes com Covid-19, porque o vírus atravessa a barreira hematocefálica e causa inflamação no cérebro ao afetar sua região frontal. “A ivermectina é uma droga que penetra no cérebro quando ele está inflamado. Ela deprime ainda mais o órgão e piora a qualidade do despertar de um paciente intubado”, explica. 

A hidroxicloroquina, outro remédio do kit Covid, também pode ser uma inimiga da recuperação, uma vez que pode causar arritmia cardíaca. Em pacientes com sintomas graves de Covid-19, a doença afeta o coração, causa inflamação do músculo cardíaco e trombose em vasos e tecidos — o que fica ainda pior com o uso do medicamento. 

Uma pesquisa recente da Fiocruz Amazônia com a Universidade Federal do Amazonas (Ufam) em Manaus verificou que as taxas de infecção por Covid-19 foram maiores em pacientes que afirmam ter tomado medicamentos preventivos. Segundo os pesquisadores, isso ocorreu porque quem estava tomando os remédios do kit acreditava que não precisava se prevenir. 

Esse é, inclusive, um dos principais problemas encontrados pelas UTIs: os doentes que chegam lá, acreditam estar protegidos pelos medicamentos e procuram ajuda tarde demais. “Alguns prefeitos distribuíram kit Covid. Os mais crédulos achavam que tomando aquilo não pegariam Covid-19 e demoraram para procurar assistência quando ficaram doentes”, diz Carlos Carvalho, diretor da Divisão de Pneumologia do Instituto do Coração do Hospital das Clínicas (Incor-HC), em São Paulo. 

Além disso, ele avalia que a falta de organização central e as informações desconexas sobre medicação sem eficácia contribuíram para a letalidade maior na nossa população. “Não vou dizer que representa 1% ou 99% [das mortes], mas contribuiu.” 

Para muitos especialistas, a defesa e a utilização do kit Covid desvia os recursos financeiros que poderiam ser usados na compra de vacinas, no financiamento de pesquisas e na adoção de tratamentos eficazes. Um levantamento da BBC News Brasil aponta que os gastos do governo com cloroquina, hidroxicloroquina, Tamiflu, ivermectina, azitromicina e nitazoxanida chegaram a cerca de R$ 90 milhões até janeiro.
Fonte: Olhar Digital.

Pesquisar este blog