terça-feira, 24 de outubro de 2017

ALERTA PARA RISCO DE NOVA EPIDEMIA DE DENGUE, ZIKA E CHICUNGUNHA EM PERNAMBUCO.

Entre os 184 municípios do Estado, 156 (84,7%) estão em risco de surto.
Em Pernambuco, a queda no número de pessoas que tem adoecido com sintomas de dengue, chicungunha e zila (em comparação com 2015 e 2016), anos da tríplice epidemia) dá a impressão de que as arboviroses foram riscadas do mapa. Mas é só uma falsa ideia, como ressalta a gerente do Programa de Vigilância das Arboviroses da Secretaria Estadual de Saúde (SES), Claudenice Pontes, que convoca todos os municípios e a população para adotar medias e ações capazes de eliminar possíveis focos do mosquita ao longo desta Semana Nacional de Mobilização para o Combate ao Aedes Aegypti, que vai até a próxima sexta-feira.

Às vésperas do verão, época que facilita a eclosão dos ovos do Aedes devido ao clima mais quente e úmido, a SES alerta que Pernambuco tem apresentado um alto risco para transmissão das doenças transmitidas pelo mosquito. Entre os 184 municípios do Estado, 156 (84,7%) estão em risco de surto em em alerta para a possibilidade de adoecimento da população. O percentual é do 5º levantamento de ìndice Rápido do Aedes aegypti (LIRAs), que monitora a quantidade de imóveis com a presença de larvas. Isso aumenta a possibilidade do surgimento de mosquitos e, consequentemente, facilita a transmissão das enfermidades.

"É preciso que a sociedade entenda que as doenças não foram extintas. Os vírus estão circulando, e os casos permanecem. Além disso. há pessoas suscetíveis (à infecção), principalmente ao adoecimento pelos sorotipos de dengue 1 e 2, os únicos que foram isolados este ano no Estado", informa Claudenice. Ela explica que, como o maior volume de casos por esses dois sorotipos foi registrado em 1998 e 2002, atualmente há um percentual alto da população suscetível ao adoecimento, como quem nasceu após esses anos. "Isso significa que os outros sorotipos de dengue (3 e 4) não estejam circulando; apenas podem não ter sido identificados por estarem com baixa incidência." Vale destacar que o sorotipo 2 preocupa porque foi responsável pelas epidemias de dengue hemorrágica - uma das formas graves da doença que merece cuidados especiais.

Os municípios, segundo Claudenice, devem estar engajados em atividades de mobilização social para repassar informações de prevenção à população. "O poder público precisa realizar suas ações, mas sem o apoio da sociedade não vamos continuar diminuindo os índices de infestação do mosquito e consequentemente, os casos das arboviroses", diz. Em relação à dengue, com base no recorte de casos prováveis das últimas oito semanas em Pernambuco, Claudenice salienta que quatro municípios do Agreste despontam com maior risco de transmissão da doença: Cumaru, Brejo da Madre de Deus, São Caetano e Surubim.
Fonte/NE10.