quinta-feira, 1 de novembro de 2018

JUIZ SÉRGIO MORO ACEITA CONVITE É SERÁ O MINISTRO DA JUSTIÇA NO GOVERNO DE BOLSONARO.

Após uma reunião de cerca de uma hora e meia com o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) na manhã desta quinta-feira (1/11). o juiz Sérgio Moro aceitou o convite para comandar o futuro superministério da Justiça no governo de Jair Bolsonaro. Por meio de sua assessoria, o magistrado já divulgou uma nota à imprensa para detalhar quais foram os termos acordados com Bolsonaro.

Moro chegou a ir ao lado do já anunciado como futuro ministro da Economia Paulo Guedes em direção aos jornalistas que aguardavam na frente do condomínio do presidente eleito para uma entrevistas coletiva. Dada à confusão, acabou desistindo. Em nota, o juiz lamentou o fato de ter que "abandonar 22 anos de magistratura", mas ressaltou que "a perspectiva de implementar uma forte agenda anticorrupção e anticrime organizado, com respeito a Constituição, à lei e aos direitos" o levaram a aceitar o convite para o ministério.

"Na prática, significa consolidar os avanços contra o crime e a corrupção dos últimos anos e afastar riscos de retrocessos por um bem maior. A Operação Lava Jato seguirá em Curitiba com os valorosos juízes locais", disse.  

No texto, Moro esclarece ainda que para "evitar controvérsias desnecessárias", vai se afastar de novas audiências. Ele anunciou que irá conceder uma entrevista coletiva na próxima semana para fornecer mais detalhes.

LEIA A NOTA NA ÍNTEGRA
"Fui convidado pelo Senhor Presidente eleito para ser nomeado ministro da Justiça e da Segurança Pública na próxima gestão. Após reunião pessoal na qual foram discutidas políticas para a parta, aceitei o honrado convite. Fiz com certo pesar pois terei que abandonar 22 anos de magistratura.

No entanto, a perspectiva de implementar uma forte agenda anticorrupção e anticrime organizado, com respeito à Constituição, à lei e aos direitos, levaram-me a tomar esta decisão. Na prática, significa consolidar os avanços contra o crime e a corrupção dos últimos anos e afastar riscos de retrocessos por um bem maior. A Operação Lava Jato seguirá em Curitiba com os valorosos juízes locais.

De modo, para evitar controvérsias desnecessárias, devo desde logo afastar-se de novas audiências. Na próxima semana, concederei entrevista coletiva com maiores detalhes", afirmou em nota. 

Bolsonaro já se manifestou pelo Twitter sobre seu futuro ministro. "Sua agenda anti-corrupção, anti-crime organizado, bem como respeito à Constituição e às leis será o nosso norte!", disse o presidente eleito.
Fonte/NE10/Blog do Jamildo.