quinta-feira, 21 de janeiro de 2021

POLÍCIA FEDERAL DEFLAGRA OPERAÇÃO PARA APURAR CRIMES NA ELEIÇÃO MUNICIPAL DE AGRESTINA.

 Estão sendo cumpridos mandados nas residências de políticos e empresários, tanto em Agrestina quanto em Caruaru.
A Polícia Federal (PF) em Pernambuco deflagrou, na manhã desta quinta-feira (21/1), a segunda fase da 'Operação Voto Livre', cumprindo sete mandatos de busca e apreensão nos municípios de Agrestina e Caruaru, no Agreste de Pernambuco. 

A operação, cuja primeira fase ocorreu em 14 de novembro, tem a finalidade de combater a prática de crimes relacionados à eleição municipal de 2020 na cidade de Agrestina.

As ordens judiciais foram requeridas pelo Ministério Público Eleitoral do município de Agrestina e deferida pelo Juízo na 86ª Zona Eleitoral. Segundo a PF, estão sendo cumpridos mandatos nas residências de políticos e empresários, tanto em Agrestina quanto em Caruaru.

Foram apreendidos documentos e diversos aparelhos celulares dos principais alvos das medidas, os quais serão encaminhados ao Setor de Perícias da Polícia Federal para extração e análise de dados.

O trabalho contou com o emprego de 30 policiais, além do apoio de homens do 4° batalhão da Polícia Militar de Pernambuco.

A PRIMEIRA FASE
A primeira fase da operação, no ano passado, deu cumprimento a quatro mandados de busca e apreensão em Agrestina com o objetivo de combater a suposta prática de crimes eleitorais cometidos por integrantes da coligação "Agrestina do Lado Certo" encabeçada pela prefeiturável Carmen Mirian (DEM), que saiu derrotada por Josué Mendes (PSB). 

Na época, em nota, a Coligação Agrestina do Lado Certo afirmou que Carmen não foi alvo da Operação. "Os alvos foram o candidato a vice, Paulo Sargento, o candidato a vereador Caio Damasceno, um empresário local e uma militante. Eles receberam a Polícia Federal em suas residências, após a PF ter recebido denúncia de que teria dinheiro para compra de votos nas residências apontadas. No entanto, nada foi encontrado nas casas visitadas, que comprovasse a prática ilícita de compra de votos, o que não poderia ser diferente", disse trecho da nota em novembro. 
Fonte: JC.

Pesquisar este blog